domingo, 27 de junho de 2010

corpo no corpo do corpo

O cubo de gelo permanecia quieto,
na margem do rio.
Queria cumprir-se como cubo
e ver tudo.

Vadiava transparentemente
mergulhado na corrente

Não queria derreter nem crescer.
Estava ali, mesmo só para ver.

Sem comentários: